Comenda Economista Roberto Campos será entregue pelo CORECON nesta segunda (18) a doze autoridades de MT

16/11/2019

A concessão da Comenda "Economista Roberto Campos" será dada a doze personalidades de Mato Grosso que desempenham importante papel para o desenvolvimento da economia do estado. As homenagens partiram de um projeto elaborado pelo presidente do Corecon-MT, Evaldo Silva, e foram aprovadas por unanimidade pelos demais conselheiros. As Comendas serão entregues durante a solenidade em comemoração aos 45 anos da entidade nesta segunda-feira, dia 18 de novembro, às 9h, no auditório Milton Figueiredo na Assembleia Legislativa.
 
Entre os homenageados, o governador de Mato Grosso, Mauro Mendes, que no Encontro dos Economistas do Centro-Oeste (Eneoeste 2019), realizado pelo Corecon-MT, ministrou a palestra-magna de abertura, apresentando dados sobre as perspectivas econômicas do estado para os próximos anos. "Durante o Eneoeste, realizado por nós no final do mês de agosto, o governador nos deu a honra de fazer a abertura, demonstrando conhecimentos específicos e muito pertinentes para economistas e acadêmicos dos estados de Mato Grosso, Goiás, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal. Por isso, na escolha dos homenageados com esta comenda, seu nome foi prontamente aprovado", disse Evaldo Silva, presidente do Conselho.
 
Além do governador, receberão a comenda o presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho; o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro; a prefeita de Várzea Grande, Lucimar Campos; o presidente da Federação das Indústrias de Mato Grosso, Gustavo de Oliveira; o presidente da Associação Comercial de Cuiabá, Jonas Alves de Souza; o presidente da FAMATO, Normando Corral; o presidente da FCDL, Ozair Nunes Bezerra; o presidente da CDL Cuiabá, Nelson Soares Junior; a presidente da Junta Comercial do Estado de Mato Grosso, Gercimira Ramos Moreira Rezende; ; o arcebispo de Mato Grosso, Dom Milton Antônio dos Santos; e o desembargador Carlos Alberto Alves da Costa, presidente do Tribunal de Justiça.
 
Comenda "Economista Roberto Campos"
 
"Nós criamos a Comenda 'Economista Roberto Campos' com intuito de homenagear em forma de distinção honorífica,  personalidades que contribuem para o engrandecimento da sociedade por seus trabalhos nas esferas política e econômica de Mato Grosso", disse Evaldo.
 
A escolha do nome da Comenda prestigia o ilustre economista Roberto de Oliveira Campos, que nasceu em Cuiabá, em 17 de abril de 1917. Além de economista, foi professor, escritor e político brasileiro. Nascido em uma família de origem humilde, formou-se em Filosofia e Teologia em um seminário católico, seguindo a carreira diplomática após passar no concurso do Itamaraty. Foi nomeado Cônsul  de terceira classe em Washington, e, nesta cidade, se formou em Economia pela Universidade George Washington. Pouco tempo depois, foi promovido a cônsul de segunda classe, e foi designado segundo secretário de Washington.

Fez parte da delegação brasileira da Conferência de Bretton Woods, que criou o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial. Após isso, juntou se à representação do Brasil nas Nações Unidas em Nova Iorque, onde fez a sua Pós-Graduação em Economia pela Universidade de Colúmbia. No período em que permaneceu nos Estados Unidos, foi membro da delegação brasileira em diversas reuniões e conferências internacionais.

Mais tarde, tornou-se parte da assessoria econômica do presidente Getúlio Vargas, sendo um dos idealizadores da Petrobras, autarquia que havia sido inicialmente pensada como empresa mista sob controle majoritário do Estado ao invés de um monopólio estatal. No Governo Juscelino Kubitschek, foi um dos Presidentes do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social e teve uma participação importante no Plano de Metas. Foi ministro do Planejamento durante o governo de Castelo Branco, quando promoveu muitas reformas econômicas. Foi um dos idealizadores do BNDES, Banco Central do Brasil, Estatuto da Terra e do FGTS.

Em 1982, foi eleito senador pelo seu estado natal, Mato Grosso. Em 1990, ao invés de disputar a reeleição como senador, preferiu se candidatar a deputado federal pelo Rio de Janeiro, tendo sido eleito naquele ano e reeleito em 1994. Em 23 de Setembro de 1999, foi eleito imortal pela Academia Brasileira de Letras. Faleceu no dia 9 de outubro de 2001, no Rio de Janeiro.
 

Fonte: Andressa Boa Sorte/Assessoria Corecon-MT

CONVÊNIOS